A importância da Genética Forense na resolução de crimes

Um fato ocorrido em outubro evidenciou a importância da Genética Forense na resolução de crimes. O principal suspeito de um homicídio ocorrido na cidade de Garibaldi (RS), em 2017, foi identificado três anos depois, graças ao suor coletado em uma luva que estava no local do crime, próxima à vítima.

Isso aconteceu pelo posterior cruzamento de informações obtidas pela análise do DNA do suor, com dados presentes no Banco de Perfis Genéticos do Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (IGP-RS). O banco gaúcho tem cerca de 4,3 mil amostras de perfis genéticos, de um universo de 17 mil que ainda serão coletadas no estado. Além de identificar culpados pela comparação de material genético, o sistema permite provar a inocência de pessoas acusadas injustamente.

O suspeito já estava preso por outro crime e sequer constava na lista dos investigados pelo assassinato. É a prova de que o local de crime fala e reforça o conceito de Locard, que cita que todo contato deixa uma marca. Não existe crime perfeito.

A Genética Forense estará presente na InterForensics 2021. As inscrições estão abertas, faça já a sua aqui.