Forensics Live #8 traz orientações e novidades sobre submissão de trabalhos científicos na IF2021

Foi aberto oficialmente o período para submissão de trabalhos científicos para a InterForensics 2021, o maior evento de Ciências Forenses da América Latina.

Durante a Forensics Live realizada nesta quinta-feira, conduzida pelo Perito Criminal Federal Rodrigo Mayrink (Coordenador Científico da IF2021) e com a presença do Perito Criminal Federal Marcus Andrade (Coordenador Científico Adjunto da IF2021), foi salientada a importância dessa etapa fundamental do evento, além de comentários sobre as novidades desta edição e orientações aos pesquisadores sobre o correto envio de seus trabalhos.

Marcus Andrade reforçou o papel da InterForensics 2021 no incentivo à produção acadêmica e da utilização prática de estudos apresentados. “A pesquisa forense vem crescendo muito nos últimos anos, e a InterForensics tem um papel muito importante nisso. A pesquisa acadêmica traz a ciência aplicada, que é o nosso objetivo final. É a hora em que você vê muitos resultados aparecendo, muitas ferramentas desenvolvidas, parcerias sendo feitas”, afirmou.

Rodrigo Mayrink adicionou que o evento é uma oportunidade de integração entre os participantes, possibilitando o desenvolvimento prático dos trabalhos apresentados. “É o momento em que se pode ver um aluno de graduação e uma grande referência internacional da área conversando de igual para igual diante de um estudo apresentado em um pôster. Esse ambiente acontece de uma forma muito saudável”, comentou.

A Live teve como foco transmitir informações sobre a submissão dos trabalhos científicos, período que vai até 15 de fevereiro, por meio do site da IF2021. Pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento das Ciências Forenses poderão inscrever resumos de seus trabalhos no formato de um pôster (é permitido até dois trabalhos por autor), que precisa ser formatado a partir de um template disponível no site..

Marcus Andrade comentou sobre as novidades da edição 2021, implementadas para estimular ainda mais a submissão de trabalhos. A primeira novidade é que o livro de resumos (onde estarão publicados os pôsteres de todos os trabalhos aprovados) traz a possibilidade de inserção de mais imagens, como fotos e gráficos, para enriquecer a apresentação.

Também, alguns trabalhos selecionados serão convidados para apresentação oral, passando a compor a grade oficial de programação do evento. Por fim, de forma inédita, uma seleção entre os melhores trabalhos terá como desdobramento o convite ao autor para elaborar um artigo científico sobre o estudo para publicação em um periódico, em edição especial sobre a InterForensics 2021.  E o melhor artigo de cada trilha temática também será premiado com uma inscrição para a InterForensics 2023, garantindo a presença na próxima edição.

Para submeter o trabalho, não é necessário o pagamento simultâneo da inscrição, ele pode ser feito posteriormente. A avaliação será feita em até 30 dias após o encerramento do período de submissão. Um avaliador poderá entrar em contato com o autor por e-mail para sanar dúvidas (com prazo definido para resposta). 

Convidada especial

Na segunda metade da Live, foi convidada para compartilhar sua experiência a Bióloga Ana Luiza Lemos Queiroz, Mestre e Doutoranda em Genética e Secretária Executiva da IF2021. Ana Luiza foi ganhadora do Prêmio Jovem Cientista Forense, promovido pela Academia Brasileira de Ciências Forenses (ABCF) e pela American Academy of Forensic Sciences (AAFS) em 2019.

Ela participou das duas edições iniciais da InterForensics como pesquisadora, submetendo seus estudos para compartilhamento e troca de conteúdo. “Posso dizer que nos dois eventos eu vi minhas referências bibliográficas andando pelo congresso. Eu havia lido os trabalhos de vários autores que estavam lá e eu tive o prazer de conversar com eles. Foram algumas das melhores oportunidades da InterForensics”, recordou.

Ana Lucia citou ainda a possibilidade de integração entre pesquisadores que atuam com temas afins, como a troca ocorrida com uma equipe de Brasília que desenvolvia um trabalho em uma linha de pesquisa próxima a dela. “Conseguimos fazer uma coordenação para que nossos trabalhos fossem complementares, ao invés de se sobreporem. Se não tivéssemos nos conhecido ali, provavelmente haveria dois laboratórios no Brasil fazendo esforço para a mesma coisa”, avaliou Ana Luiza, que hoje integra a Comissão Científica da InterForensics.

A última Forensics Live do ano foi encerrada por Rodrigo Mayrink, que anunciou mais novidades a serem divulgadas em janeiro próximo, referentes aos minicursos programados para o evento – alguns até mesmo inéditos na história dos eventos de Ciências Forenses nacionais.